/Há cem anos, Charles Chaplin e outros artistas criavam os estúdios United Artists

Há cem anos, Charles Chaplin e outros artistas criavam os estúdios United Artists

A United Artists foi fundada dia 5 de fevereiro de 1919 por Charles Chaplin, Mary Pickford, Douglas Fairbanks e D.W. Griffith. Dois atores dos mais famosos de sua época e dois diretores que marcaram a história do cinem tinham a ideia de fazer frente às outras corporações de Hollywood. Seria uma companhia “de artistas”, como seu nome sugere. Produziu e distribuiu grandes filmes e também marcou a história de Hollywood. Veja a amostra abaixo. Foi vendida em 1952 e, depois, incorporada a uma das poderosas que pretendia enfrentar, a MGM, em 1986.

1920 A Marca do Zorro, de Fred Niblo e Theodore Rigo, com Douglas Fairbanks no papel de Don Diego de la Vega, o Zorro. Um dos filmes emblemáticos do gênero aventura do período silencioso.

1924O Ladrão de Bagdá, de Michael Powell, sobre o mundo misterioso do Oriente, baseado nos contos das Mil e uma Noites.

1932Scarface, de Howard Hawks, considerado o pioneiro de um gênero, o filme de gângster. Paul Muni faz o mafioso Tony Camonte, apelidado de Scarface. Dizem que o filme era um dos favoritos do próprio Al Capone. Atual até hoje.

1936Tempos Modernos, de Charles Chaplin. Simplesmente um dos maiores filmes de todos os tempos, mostra a alienação do trabalhador diante da indústria mecanizada. Chaplin produz cenas de antologia, como a do operário que fica preso entre as engrenagens da sua máquina. Ou o almoço “mecanizado” para poupar tempo e aumentar a produção. Crítica feroz ao capitalismo.

1940 O Grande Ditador, de Charles Chaplin, outra obra-prima do diretor, desta vez satirizando os senhores da guerra, Hitler e Mussolini. Antológica é a cena de Hinkel (Hitler) brincando com um globo terrestre, que ele sonha dominar.

1957Glória Feita de Sangue, de Stanley Kubrick, um dos grandes filmes antibelicistas da história do cinema. Um general francês ordena um ataque suicida que termina em tragédia. Para safar-se de sua responsabilidade, elege alguns soldados como bodes expiatórios e a corte marcial os condena à morte.

1959Quanto mais Quente Melhor, de Billy Wilder, é considerada a melhor comédia já feita. Dois músicos testemunham por acidente um massacre executado por gângsteres. Para escapar, os músicos (Tony Curtis e Jack Lemmon) se vestem de mulher. Marilyn Monroe aparece sensual e engraçada como nunca. E a frase final – “Ninguém é perfeito!” entrou para a antologia cinematográfica.

1969 – Midnight Cowboy, de John Schlesinger, com John Voight e Dustin Hoffman, um filme marcante sobre os desvalidos do Sonho Americano.

Estadão